Helena Soares

A aprendizagem de música surgiu aos 15 anos de idade, tendo a sua escolha recaído sobre o teclado, instrumento que tocou durante cerca de 8 anos e ao qual juntou, mais tarde, o saxofone tenor.

Interessando-se pela sonoridade do jazz, concluiu o 1.º ano do Curso Geral de Jazz da Escola Moderna de Jazz do Seixal. Frequentou também o workshop “Como Tocar Jazz e Improvisar / Big Band”, orientado por Lars Arens e uma Masterclass com Steve Wilson Quartet, inserida na iniciativa Seixal Jazz.

Começou a explorar as suas potencialidades vocais quando, ao iniciar-se como professora de Atividades de Enriquecimento Curricular de Música em várias escolas básicas dos concelhos de Almada, Seixal, Sesimbra e Setúbal, decidiu ter aulas de canto para aprender a colocar a voz. Desde então, nunca mais parou de cantar.

Fez formação na escola de música Quebra-Notas, com a professora Maria João Matos, e  com a professora Tânia Fernando, na escola de música Anacrusa. Recebeu formação em canto lírico num curso promovido pela Câmara Municipal de Sesimbra, com a professora Filipa Lopes. Posteriormente, participou num workshop de Jazz Coral com o maestro Luís Bragança Gil e frequentou ainda uma Masterclass de Interpretação Vocal com Rui Baeta.

Foi, durante três anos, mezzo-soprano no Coro da União Desportiva da Quinta do Conde 1. Foi saxofonista na Big Band da Escola Moderna de Jazz do Seixal e teclista e saxofonista na Jazz Kidding Big Band.

Presentemente, é mezzo-soprano no quarteto Vox Cantatis e saxofonista na AS Big Band. Dá ainda aulas de Iniciação Musical e Canto na escola de música Anacrusa e é diretora do Coro de Gospel e do Coro Infantil da mesma instituição.

Paralelamente, é, desde 2010, Coordenadora Pedagógica da Atividade Formativa na escola de música Quebra-Notas.

Já teve a felicidade de ouvir, ver e conhecer pessoalmente o seu ídolo do saxofone tenor, Chris White, dos Dire Straits. Também admira Sting, Michael Bublé, Mark Knopfler e Chick Corea e gostaria de poder assistir ao vivo a um concerto de Diana Krall.

Na voz, teve a oportunidade de fazer, com o grupo “Vox Cantatis”, a primeira parte de um concerto dos cantores líricos Carlos Guilherme e Filipa Lopes.

Internacionalmente, a sua preferência em termos artísticos vai para Bobby McFerrin, com quem aceitaria, sem hesitar, ter aulas de canto.